Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Há luz da pena

Há luz da pena

O livro que me comoveu

o livro o meu é de laranja lima.png

Durante a minha vida houve, determinados livros que me comoveram e, “o meu pé de laranja lima” é um deles. Não há criança nenhuma que não chore. Este livro estava desde sempre lá em casa. Nessa altura não me despertava tanta vontade de ler mas, há mais de dois anos que o li e tornei a comover. Também vi o filme mas muito diferente do livro.

Alquimia do amor

A-Alquimia-do-Amor.jpg

Li este livro no ano 2015. Tem, para mim, um toque de requinte e muito charme. Ainda podemos fazer o suficiente para sermos felizes e surpreender a nossa cara-metade, apesar de parecer tudo ao contrário. Surpreendamos pela positiva até ao fim e não devemos de julgar pelo prmeiro impulso.

O livro "Três semanas com o meu irmão"

A-Alquimia-do-Amor.jpg

Quando me puseram à minha frente este livro, a primeira coisa que me veio à memória foi um livro descritivo, monótono e piegas em relação a traquinices de irmãos. Já tinha lido bastantes livros deste autor (Nichola Spark), por isso, e talvez a minha cabeça estivesse saturada e, pedice outro género de livro. Apesar disso peguei-o com a certeza que o ia ler. Sou muito teimosa, graças a Deus!!! A d o r e i!!!

Mudança de planos

A-Alquimia-do-Amor.jpg

Dei de caras com um “artigo” que escrevi no meu blog sobre os livros que possivelmente ainda gostoaria de ler neste ano de 2018 e dentro de 8 livros agora é que estou a ler um livro que alvitrei. Planos, por àgua abaixo? Não porque tenho estado a ler outras coisas e do mesmo género e até descobri autores que também escrevem bem. Considero isto uma mudança de planos enriquecedora.

Tri feliz aniversário

IMG_20170530_184206.jpg

IMG_20171219_160319.jpg

IMG_20180212_065313.jpg

IMG_20180212_074818.jpg

Parabéns meu amor e queridinho. Muitas mais fotos punha aqui tuas mas não cabiam. Cada dia me fazes sorrir e obrigas me a dar gargalhadas pelas tuas teus saltos acrobáticos que esporádicamente fazes e pelas tuas expressóes que cada uma fala por ti. Sabemos que qualquer gestos nos faz, eu e tu, compreender, falando. Conto contigo para mais gargalhadas, sorrisos e brincadeiras. Jonas parabéns. 

Marina

4922724590-marina-de-carlos-ruiz-zafon.jpg

 Mais um livro diferente que li nestas férias. Não foi por ser o preferido do autor mas sim, porque já tinha lido o que tinha levado. Como desperta com naturalidade uma amizade, como um simples passeio e um achado liga uma amizade que perdura até ai infinito e apesar de não nos ser nada surge uma forte ligação. Tudo tõ terno, tudo tão sublime e tudo tão natural.

O Lado Selvagem

Selvagem.jpg

Acabei de ler este livro. O primeiro do género, não me arrependi. Absorve-nos da curiosidade, expectativa, mistério, aventura e arraza-nos e do poderio e do fracasso. Como, como se é capaz de "cortar" com os laços familiares para se lançar e aventurasse numa "loucura". Passasse do extremo ao extremo. Do "corajoso"  ao " irresponsável". O que é mais forte para se virar costa a tudo, até família? Aconselho a lerem. 

O livro Casamento Feliz

img_229098298_1521833919_abig.jpg

 

Li este livro há vários anos atrás. Foi numa época difícil para mim. Fui a um espaço em que lá em casa havia prateleiras de livros. Ia pegando num e noutro e nada me agradava, confesso que não sabia ao certo o que queria. Vi-me rodeada de livros de todos os géneros, históricos, dramas, romances, de enciclopédias relíquias também. Procurei, me concentrar no que eu realmente gostava ou sentia necessidade de… Estava lá só eu, um absoluto silêncio e a minha cadela. Concentrei-me apenas e só no meu momento difícil que estava a passar. Este livro veio parar às minhas mãos quando eu estava numa das prateleiras pela primeira vez a passar revista. Porquê este livro? Porque lembrei-me que me falaram dele e que as coisas ao acaso são as que prevalecem e que têm tudo para dar bom resultado. Porque é que várias vezes em certas prateleiras e esta veio este livro parar á minhas mãos? Porque é que quando eu agarrei nele veio várias memórias que tinha visto e ouvido para eu recordar? Não ezitei e li-o somente em 5 dias. Primeiro livro que tive bastante “pena” de ter chegado ao fim.

Neste livro o autor conta nos como se pode atenuar ou adiar a dor da perda de um grande amor e como nós somos confrotados nos últimos minutos das mais importantes decisões na nossa vida.

Um livro que aconselho a ler.

 

Esperteza maluca

Smiles de orelha a orelha.png

Há certos colegas armados em espertos e querem ser eles o patrão e o chefe. Têm o desplante de dar sitemáticamente a lição de moral como se, áqueles, não tivessem pais. Hoje não fui a mesma e respondi-lhe, comecei a ouvi a tal “lição” mas não até ao fim. Subiu-me um pouco o sangue a cabeça e a tenção arterial tença mas, respondi-lhe. No fim. Disse para mim mesma que estava admirada com o “largar tão bem os meus dentes”, não tive coragem de me beijar. Senti-me leve como a pena, a tensão arterial desceu e tenho a certeza que evitei meio milhão de cabelos no meu cabelo e de estragar a máquina da tensão arterial da farmácia. Que venha mais coragens destas para eu me sentir como nova.

Coisas de infância II

Aquela coisa marcada que parece uma linha é um aranhiço fossilizada ainda à epera de um enterro digno, está lá na almofada que confortou as nossas cabeças em plenos dias de sol também feita de lona. Um bocado de papel no chão que a vassoura varre com o resto do pó do tempo descobre a cor verdadeira que é o chão. O lago que tem peixes, contemos para ver os que faltam mas os números atrapalham-se e ficamos com um cálculo. A mão já com o miolo de pão, não interessa molo ou duro, vai-se fazendo bolinhas pequenas com estas e deitadas em onda pela água que os peixes vêm ao encontro e aglutinam de uma só vez. Assim já se tem a precepção mais nítido do cálculo que atrás se fez. A bicicleta com a corrente solta não hà corridas nem coisa nenhuma, então tem que se pôr de rodas para o ar e com os pedais os pneus tomam velocidade e o som que parace o vento fazem um vu uuuuu. Não esquecer o óleo para não prender mas as calças desse lado tem que ser arregaçadas. Os armários ao abrirsse renovam os nossos olhares de memórias e recordações, a camisola que não serve ou o garfo que ficou esquecido pela presa de mais uma corrida rápida para aproveitar o pouco tempo que se tinha. As camas têm que ser feitas com os lençóis rígidos e as fronhas como a goma pegada e o cheiro a contar como teve o tempo. O pão comprado cedinho pela manhã ao som da passarada alegre, livre e sem pressa. O chá, o leite e o café esfumam nas respetivas púcaras, bule e leiteira. A manteiga acabadinha de estriar é crucificada com os primeiros golpes de uma faca bébe e que ao tocar no miolo do pão dança uma volsa iressistivel. O sol já mais alto oferece à casa um ar já menos bolorento, húmido e espesso. A casa da lenha que é o palácio de qualquer aranha e outros que se prezem, também é o campo de batalha destes. Os utensílios de jardinagem e carpitaria com o martelo, ansinho, vassoura, caixa de pregos e parafusos, … estão arrumados em pregos na parede numa ordenação lógica. O cheiro aí é mais acentuado e pouco esplicito pelas misturas de diversos aromas mas, que quase nos asfixia e nos provoca falta de ar. Vimos cá para fora apressados já com a boca aberta que nos obriga a começar apaladar depois de tentar nos sufocar até ao último minuto.

Palavras ao vento

O começo por vezes é difícil como, também nos é escolher as palavras adequadas. Nunca é aquilo que presisamos, que queremos e que, gostamos. Porquê?!?!?! Nestas alturas imediatamente focamos aqueles que também estão lá, todos juntos. Aliviemos por momentos os nossos corações que, receberam de belo-agrado as nossas tristezas mas que, levam boas novas. Pelo menos eu quero acreditar que sim. Temos que aceitar mas não concordamos de maneira nenhuma. Porquê?!?!?! Damos voltas à cabeça. Os “nossos” são, particularmente especiais e não despensamos nem um pouco de nenhum. Que vamos falar, que vamos fazer, que vamos pensar, que vamos…. Nada!!! Agora, que vamos buscar, que vamos lembrar, que vamos recordar, que vamos…muito boas e só lembranças. O pensamento voa em milészimos de segundo porque somos obrigados a pensar cruamente. O quê?!?!?! É como se o puzzle se desmembrasse em pedaços tão pequenos que não vemos nada e, para isso é preciso de tempo e espaço Aí, surgem os imensos “ses”, os ???, os porquês, … A seguir lembramonos das pessoas que estão ainda ao pé de nós, que são tão queridas e que nos querem tão bem. É recíproco, ainda bem. Como tal e por serem essas coisas boas demais, para nós, temos que reagir depressa, temos que levantarmos, temos que procurar a melhor maneira de atenuar o menos mal. Assim pouco a pouco e puzlle junta-se, o tempo é real e o espaço é perceptivel. As palavras onde estão? Aquelas que têm significados agri-doce? Aquelas que nos abituamos ouvir e a dizer desde a nossa infância. Aquelas que, por magia, nos continua a dar alento para, prosseguir o nosso rugouço caminho. Chegou a nossa hora de as colocar como nos ensinaram, de tratá-las tão bem para nos orgulharmos pelos nossos que as utilizaram e de terem todo o sentimento como quando as usaram. Bem sabemos o que lhes custou e o que fizeram para fortalecer o futuro, para melhorar o presente e relembrar o passado. Foi com todo a agrado e amor que nos mimaram para que com certeza continuássemos o futuro pois vêm lá muitos mais. Saibamos, por isso, persevar e amar praticando os que estão e também áqueles que chegaram brevemente. Cheguei ao fim da carta mas foi difícl começá-la. Meu coração sossegou um pouco. 

Coisas de infância I

 

bola nivea praia.jpg

Coisas que não esqueço quando acabava o ano lectivo, a camioneta que levava tudo para a casa de férias e até o cão e o piriquito. Os lençóis a cobrirem as cómodas e sofás da sala. As roupas que já não servem fora do guarda-roupa e gavetas. Os brinquedos que já não usamos para os primos mais novos e os brinquedos também. Alguns livros completavam esses sacos, pois os livros todos juntos pesam. As várias taças cheias de marmeladas acabadas de fazer ao longo da pedra de mármore da cozinha. Os frascs com geleia. O cheiro da cera que a enceradoura faz brilhar o soalho de madeira. A entrada de casa com o seu cheiro caracteriístico a mofo que nos faz mergulhar no bom descanço das férias. A cadeira de lona machada pelo tempo, até lhe fica a matar. Uma bola debaixo da roda da bicicleta que fora à presa guardada quando se regressou à rotina. Pneus esvaziados das bicicletas prometem muita força de mão. O saco de lona também manchado com um pouco de areia da praia na última ida a esta. As alpegratas esfoladas que estão à espera de serem substituídas por aquela loja junto à praia que também têm os livrinhos de passatempos, cruzadex e palavras cruzadas. E aí talvez se veja mais alguma coisa que na mente não tenhamos lembrado antes. O sentir na pele a areia quente e confortável mais a toalha e o creme de bronzear mais o chapéu. A àgua do mar fria que com a planta dos nossos pés fica marcada e faz pocinhas de água onde mais tarde seca é frágil. O sabor da sanwiche de queijo ou fiambre com manteiga é glutinada num instante. Os jogos na praia são “o prego” e o “disco voador”. Mas cuidado pois tem que se ir para uma parte que, não incomde e para que fiquemos todos bem-dispostos. A bola a dizer “NÍVEA” é o triunfo de qualquer um naquela praia para pôr no lixo o respectivo, não se sacode toalhas de qualquer maneira, diz-se “obrigada”, “adeus” ou “até amanhã”. O amigo ou amiga da fulana e da sicrana também são amigos. A bola de Berlim feitas pela pessoa de mais respeiteito e amiga da praia que sabemos que, se levanta cedo para o nosso momento aí não ser em vão. O livro ou revista que fica cheio de areia porque, de repente, o mar chamanos e não tarde a maré enche e temos que nos ir embora.

Saber crescer

Nunca pensei que a minha pessoa fosse viver a, como é difícil certas pessoas dizerem “não!”. Mas há, e talvez seja horrível viver com isso. Até agora nunca tinha visto nem sabia que alguém pudesse “sofrer” desse género de coisas. Não sei lidar com isso pois só sei que me negam a autoridade, que impedem-me que eu ensine o bem e o melhor que sei. Todos os meus valores. O tempo passa e estou a ver que nem a mim nem a qualquer pessoa é obediente. O tempo é ocupado por regra nenhuma, valores adquiridos caprichosos que não fica nenhuma tradição e o que vale é a troca de moeda por tudo e por nada. O futuro avança e cada vez mais fica à sua própria sorte. Até agora tenho a sensação que foi em vão o que planeei e o meu próprio esforço. Dou por mim a ter atitudes de irritação, de pré-sofucamento de opiniões básicas e o bloqueamento mínimo dá lugar ao total vazio. Não tem que ser assim. Dei crédito mas não percebeu devido a do outro lado não e nunca esteve de acordo comigo para sermos um só. Qual é o ensinamento se por um lado o não é sim e sim é não?!?!?! O tempo o dirá mas, se eu poder evitar avançar mais no tempo, vejo e sinto que quanto mais créditos mais vejo o abismo a vir até a mim, e ir de encontro a muitos sins que deram ao meu “não” e nãos que deram ao meu “sim”, melhor. Irei ver os resultados e estarei pronta a “virar a mesa”, a ir para a frente com mais força e cheia de garra.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D