Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Há luz da pena

Há luz da pena

De uma brincadeira levou-me a fazer uma parvoíce

Costumo descer as escadas depois de o meu telemóvel, despertador alarmar-me 3 x, sendo a 4.ª mesmo para descer. Costume de descer, espero o meu marido e por brincadeira, estou com a porta entre aberta e quando ele chega quase a alcançar esta largo-a e fechasse. Ele tem que clicar o manípulo e abrir. Hehehe!!! Esta é a minha brincandeira. Mas eu ainda estava hoje no pantamar com a luz acessa e a mão na maçaneta e ao vê-lo a chegar aos últimos 7 degraus…não é que eu fechei a porta? Hehehe!!! Senti-me um pouco má.

Será coisa passageira? Espero que sim

Neste ano “entrei com o pé esquerdo” na leitura. Por esta altura ainda estou a ler o livro que estava a ler do ano passado. Não se estou “pesada” pelos doces que comi. Não sei se estou numa face que leituras…nem pensar. Se estou na face da espéctativa devido às notas do 1.º periodo do meu filho? O que va dar? Será que o livro, na face que estou, não me sabe “puxar”. Será que tenho necessidade de outro conteúdo de leitura? E mais ???????? surge no meu cerebrelo. Mas sei que todos eles vão dar a um só e possível caminho que é…acabar o livro bem e depresa mas não despresando o autor, a história em si e de não ter sido perda de tempo por ter lido. O livro chamasse Inferno de Dan Brown.

Tempo

O tempo não corre, voa. Voa num ápice que a distância parece prolongar mas que depois falta espaço e terreno para a corrida. Bloqueia-me de tal modo que tudo o que era distância e tanto tempo já não me acelera mas que acredito. Ainda assim, desacelero acelarando numa corrida a passo apresado com a certeza que vou lá chegar. O tempo avança já sem tempo que me faz irrita, protesto e a minha alma desacredita com a ãnsia de uma certa raiva mas que ainda assim acredita lá chegar descançada.

Sensação muito estranha mas,…

Gosto, gosto de gostar do meu gosto inagualável que existe neste mundo. Quando digo gosto, gosto mesmo e não sou de modas. Meu gosto franco mas atigível a alguns pelos diversos gostos. Gosto por aqueles que vejo, gosto por aqueles que não vejo mas escrevem. Diferentes gostos mas, que o gosto é só meu.

Últimos dias para participar

Resultado de imagem para gato óscar david dosa

Passatempo de Natal Clube de Gatos - participações até ao momento:

1- Maria Araújo - Tarecos das Alcarias
2 - Jenny de Ree - Tico & Teco
3 - Salomé Painçal -Tico & Teco
4 - Maria Alves - Projecto Amor Animal
5 - Ana Costa - Tico & Teco
6 - Elisa Pinheiro - Tico & Teco
7 - Marta Malveiro - AAAAMoita
8 - Maria da Graça - Tico & Teco
9 - Sónia Castro - Agir pelos Animais
10 - Fernanda Almeida - Agir pelos Animais
11 - Dinora Cunha - AAAAMoita
12 - Francisco Cunha - Projecto Amor Animal
13 - Fátima Gomes - Projecto Amor Animal
14 - Cristina Filipe - Agir pelos Animais
15 - Andy Bloig - Projecto Amor Animal
16 - Mário Fonseca - Projecto Amor Animal
17 - Ana Mendes - Projecto Amor Animal
18 - Carla Simões - Projecto Amor Animal
19 - Cláudia Gonçalves - Projecto Amor Animal
20 - Ilídia Pinheiro - Projecto Amor Animal
21 - Paulo Pinto - Projecto Amor Animal 
22 - Isabel Monteiro - Tico & Teco 
23 - Cláudia Alves - Projecto Amor Animal 
24 - Anabela Neves - Tico & Teco 
25 - Teresa Ricardo - Agir Pelos Animais 
26 - Conceição Luz - AAAAMoita 
27 - Isabel Godinho - Tarecos das Alcarias 
28 - Nelia Brito - Tarecos das Alcarias 
29 - Márcio Santos - Projecto Amor Animal 
30 - Cláudia Amieiro - AAAAMoita

 

E tenho uma participação da Sónia Pinhal, que não indicou a associação que queria ajudar.

Queremos muitas mais participações até porque, quanto mais forem, mais dinheiro ganhará a associação vencedora!

 

O passatempo termina esta 4ª feira, dia 20 de Dezembro!

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Saudades

A palavra “saudade” acentua-me mais nesta época do ano com o natal. Saudade de chegar a casa no último dia de aulas e já receber o aroma do azevinho, da velinha, a cera nos móveis, o pó tirado de tudo quanto é sitio, o contrataste do frio de lá de fora com o quentinho do aquecedor a gás, a carpete limpa que até a fibra ou a lã desta se eriça, o brilho do chão de madeira encerado me encadeia quando a porta se abre e o raio de sol espreita, o tacho lavado e preparado para o bacalhau, legume ou batata, o fogão sem nenhuma gota de gordura para o gorduchinho perú que vai ter lotação esgotada, o musgo a enquadrar nas figuras principais do presépio mais as estrela cadente e à espera dos três reis magos (Belchior, Baltazer e Gaspar) com as prendas ouro, incenso e mirra para o menino Jesus, a enorme àrvore de Natal (puro e enorme mas aromática) com as fitas e bolas numa simples decoração no seu vaso pré destinado com as muitíssimas prendas de papel farto e variadas formas. O natal dos hospitais com o Sr.º Feliz e o Sr.º Contente, Marco Paulo, Roberto Leal, os palhaços, Àgata, Amália Rodrigues, António Calvário, Duo Ouro Negro, Carlos Paião, Cândida Branca Flor, Simone de Oliveira,…entre outros. Os apresentadores eram Eládio Clímaco, Carlos Cruz, Carlos Ribeiro, Helena Ramos, entre outros também. E, no final o Coro de Santo Amaro de Oeiras. prendas dadas às mãos cheias mas que me atrevia a ter pena de não ter recebido livros, mesa farta mas tudo ao premenor e indispensável. Mais um ano se passou.

Vamos lá participar, para uma associação ajudar e um livro ganhar!

Passatempo de Natal Clube de Gatos - participações até ao momento:

1- Maria Araújo - Tarecos das Alcarias

2 - Jenny de Ree - Tico & Teco

3 - Salomé Painçal -Tico & Teco

4 - Maria Alves - Projecto Amor Animal

5 - Ana Costa - Tico & Teco

6 - Elisa Pinheiro - Tico & Teco

7 - Marta Malveiro - AAAAMoita

8 - Maria da Graça - Tico & Teco

9 - Sónia Castro - Agir pelos Animais

10 - Fernanda Almeida - Agir pelos Animais

11 - Dinora Cunha - AAAAMoita

12 - Francisco Cunha - Projecto Amor Animal

13 - Fátima Gomes - Projecto Amor Animal

14 - Cristina Filipe - Agir pelos Animais

15 - Andy Bloig - Projecto Amor Animal

16 - Mário Fonseca - Projecto Amor Animal

17 - Ana Mendes - Projecto Amor Animal

18 - Carla Simões - Projecto Amor Animal

19 - Cláudia Gonçalves - Projecto Amor Animal

20 - Ilídia Pinheiro - Projecto Amor Animal

21 - Paulo Pinto - Projecto Amor Animal 

22 - Isabel Monteiro - Tico & Teco 

23 - Cláudia Alves - Projecto Amor Animal

24 - Anabela Neves - Tico & Teco

25 - Teresa Ricardo - Agir pelos Animais

 

E tenho uma participação da Sónia Pinhal, que não indicou a associação que queria ajudar.

 

Queremos muitas mais participações até porque, quanto mais forem, mais dinheiro ganhará a associação vencedora!

 

 

 

 

 

 

 

 

E os participantes habilitam-se a ganhar este livro!

 

 

Do que estão à espera? 

Passatempo de Natal Clube de Gatos do Sapo

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Não gosto de ir de modas

Que desilusão quando comprei o livro “Escrito na àgua” da Paula Howkins. Desculpem e me perdoem àqueles que, gostaram ou mesmo adoram o livro. Para eu não ser incrivelemente chata digo que não é o meu tipo de leitura, pois nada me prende, é tudo destursido no tempo e quando finalmente, compreendo, o prncipio de um capítulo vem o final e é a desilusão completa. São pedaços de texto que me vão pondo por ordem distorcida e que se enfileira obrigando-me a relembrar de acontecimentos muito pouco vagos. Não lamento por completo o livro que com esforço li, compreendi e que conclui a meu modo que tinha podido ler os, vá lá, 5 últimos capítulos para compreender o livro. Ainda bem que hà livros para todos os gostos.

O meu ritual de leitura

Eu, quando começo a ler um livro tenho um ritual que me ajuda a programar o tempo de quanto dura e as metas de chegar até ao final do um livro. Lembro-me muito vagamente que havia uma pessoa da minha família que assinava os livros dele, quando os comprava, sempre no n.º de página do livro. Agora perguntarme-ão se, ”-Então, se o livro tivesse menos páginas que o n.º da página que essa pessoa costumava assinar?” Responderei que não faço a mínima ideia de como era. Mas continuando...estava eu a dizer que tinha metas para chegar ao final dos livros que é, ponho uma marca (post-it pequeno) do n.º na página do meio do livro (ex. livro tem 344 e ponho a marca na página 172) e depois subdivido por 2 essa metade e assim oriento-me até chegar ao final do livro. São as minhas manias. Boas leituras.

A minha lista de livros para ler em 2018…

No final de cada ano algumas pessoas, plameiam isto e aquilo, que vão, que acontece, que dizem, que pensam…enfim com a melhor das intenções. Mas quando o ano acaba todos os ditos planos ficam por metade ou nem isso. Será que é por verem o “fim da meta” de mais um ano? Será que é para ficar mais aconchegado o cérebro? Será que é para “nos” convencermos que alguma coisa não ficou feita, que agora é que é desta vez ou será para nos chamarmos a atenção que poderia fazer mas que porque algum motivo não se chegou lá? “Ses” à parte ou “adiamento” à parte, eu no próximo ano gostaria…ou melhor nos próximos anos gostaria de ler livros como: Isabel Allende – A casa dos espíritos; Isabel Stwill – D. Teresa; Dinah Jefferies – O plantador de chá; Lesley Pearse – Uma mulher em fuga; Duas mulheres, dois destinos; Ken Follet – Trilogia (O inverno no mundo; No limiar da eternidade; A queda dos gigantes);...e outros viram.

Requisição

Nunca requisitei ou nunca tive necessidade de requisitar livros a uma biblioteca municipal. Já me inscrevi para ter o cartão da biblioteca e tudo. Quando essa ideia que vem à cabeça apoderasse-me um stresse ou uma ãnsia que me faz esmorecer os possíveis interessantes livros que eu quero ler. E são tantos!!! Já me informei que poderei fazer duas requisições seguidas depois de não sei quantos dias mas, mesmo assim “estou nervosa”. Assim aproveito agora uns diazinhos de descanço para provar a mim mesma que poderei-me sair bem. Será que a biblioteca aceitará requisições por estar perto do natal e ser o recomeço de um outro ano? Se calhar é mais um “se” para eu adiar a minha iniciativa mas, quero taaaaaanto!!!

Enviuvar cedo

Não sou e não estou dramática por escrever sobre este assunto só que, fico estupefática como a forma que as pessoas que enviúvam cedo levam a vida para a frente. Para mim, não desfanzendo as outras pessoas que conheço, é um enorme exemplo de vida para mim. Infeslimente, conheço umas tantas e é uma mão cheia. Coicidência ou não todas elas têm filhos mas, não atingem os cinco filhos delas, têm carta de condução ou tiveram e estão ou estiveram empregadas. De onde vem tanta energia? De onde vem tanto viver? Onde vem a vontade de lutar? Parece que têm uma força invulgar, que parece que todos os segundos são aglutinados com todo o ênfase e climax que a vida lhes oferece. É bastante bom, para mim, eu dar por isso para ficar a refletir. Para quê eu refletir? Lá está o exemplo para mim.

O livro “Uma vida a teu lado”

Despois de uma temporada de Nicholas Spark e de pouco mais de 6 meses com Lesley Pearse, voltei a ler outra vez a Nicholas Spark. Confeço que era um livro que eu tinha lá quando me emprestaram uma série deles. O livro intitulado “Uma vida o teu lado” é um livro que poderá não ser fácil logo entender devido a ter que saber folheá-lo e lê-lo. É porque os capítulos são intercados fazêndos duas histórias em simultâneo no tempo e no espaço. Estas duas histórias de gerações diferentes vão a certa altura juntar-se fazendo-nos pensar no amor e que este é o mais importante de tudo o que nos pode acontecer durante uma vida. Ira e Ruth que são a terceira geração viveram uma vida cheia. Ele está dentro do carro, a neve é o cenário da preocupação mas com o objetivo de o verem da estrada para o socorrerem. À medida que as horas avançam ele “vê” e conversa com a mulher (Ruth) que falecera já algum tempo e o diálogo é de qualquer coisa de carinhoso, saudoso e de muita teimosia havendo só um caminho….

A segunda geração é de uma história vulgaríssima, ela estuda na universitária longe de casa, teve um namorado que ainda a incomoda, tem irmãs e pais instruidos. O rapaz tem escola mas não prosseguiu devido à morte do pai, cuida da quinta com a mãe, vai aos rodeos mas a relação com ela é um pouco difícil. Tem poucos amigos, aqueles que trabalham na quinta e rodeo. Os dois envolvem-se numa nunvem de amor franca. A amiga dela mais perpicaz “abre-lhe” os olhos em relação a quando ela acabar a faculdade. Depois de vários segredos descobertos e de desentendimentos resolvidos estas duas gerações unem-se e dando nos a entender que mais uma vez o amor é a “trave mestra” durante a vida das pessoas.

Um dia de trabalho

Ouvesse o clicar do rato, o bater da tecla do computador, o som moderado da telefonia que ora toca a música ou vomita palavras mais tristes do que alegres, o som da régua que parece um estalar da palmas secas, a folha harmónia que acenta na mesa, outra vez o rato mas frenético acompanhado pela sacudidela do fio e do toque mais profundo no teclado. Toca o telefone, que nos diz que é dia de atender chamadas. Os e-mails surgem a olhos vistos, são respondidos consuante as urgências ou não. Está em espera, ligue mais tarde ou por um pouquinho que seja para deixar ir ao wc, já respondi ao seu e-mail ou envie-me um. Afinal, nem todas são urgentes mas também não são para deixar de ligar. A máquina do café funciona dando estalos mas com o único objetivo que é café quente com colher e açúcar. O aroma deste ocupa o H2O que enche desde o nariz e vai planar no estômago para lembrar, a algumas, a verificação do almoço. A tempo ou não todos almoçam. Paseata na quinta com a cadela mais linda do sítio como mau tempo ou não mas vale a pena o sacrifício pois esta merece e a paisagem é TOP. A tarde é longa e bastante comprida. O teclado, o rato, a folha, a máquina, e outra…tudo faz parte desta rotina do dia-a-dia. O telefone é quando em vez e tem que ser hora mais ou menos marcada, um suspiro que nos diz que para parar ou fazer uma pausa. Atirasse alguma notícia que se vê na hora e que nos parece que tenha interesse para alguém. Depoi, depois vem a graça engraçada que nos transporta noutro comentário. Notícia triste comentário ansioso e notícia alegre anedota ou boa malandrice à mistura. Lanche surge alguma coisa doce de partilha pois é mais forte que qualquer um. Quase que não há toque de telefones, vê-se as horas e motivamo-nos para mais um pouco desde as 8h e tal 9h. Segue-se mais uma ida aos wc’s com larachas de colegas de outros gabinetes. As horas a continuar a passar. Cada um acaba o seu dia e o “by” “by”, “até amanhã” ou “adeus”. Fica o espaço vazio para no dia seguinte ser o vai e vem outra vez.

...de pé atrás

Estava eu de pé atrás mas por insistencia de minhas colegas e amigas resolvi aceitar o emprestimo de uma delas e começar a ler a trilogia da autora Lesley Pearse (Sonhos proibidos/Promessa/És o meu destino). Eu há dois anos, tinha lido um livro dela mas não me agradou como acabou. “A personagem tinha roubado um chapéu e foi codenada. Desde aí até ao lugar onde era a condenação teve sempre que ser uma pessoa forte e fazer coisas obrigadas. No final faleceram o marido e filhos ficando sozinha e com a força que surgia de sem lá de onde partiu do zero e continuou a sua vida”. Já li o primeiro da trilogia “Sonhos proibidos”. Nem me percebi que estava a folhear as páginas por ser tão suave, (apesar de alguns acontecimentos seram trágicos) e quando já tudo serenou o coração se sobresalta outra vez e parece que se chega à “estaca zero”. Para já estou rendida, já comecei o livro “Promessa” e espero que me motive pelas melhoresrazões.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D